IRPJ e CSLL e a incidência em crédito compensável

IRPJ e CSLL: A incidência em crédito compensável

A 2ª Turma do Superior Tribunal de Justiça, através de julgamento realizado em março deste ano, determinou qual seria o marco temporal para a cobrança do IRPJ e CSLL incidentes sobre o patrimônio no caso dos contribuintes que obtêm decisões favoráveis por terem realizado o pagamento indevido dos impostos.

O Ministro Relator Francisco Falcão entendeu que o Imposto de Renda da Pessoa Jurídica (IRPJ) e a Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) incidem sobre o valor do crédito tributário compensável após a prévia habilitação pela Fazenda e antes da efetiva homologação.

A questão foi julgada no REsp 2.071.754/SC e envolveu uma indústria de embalagens que obteve de forma judicial o direito de compensar o valor de R$ 28,2 milhões que foram pagos indevidamente com a inclusão do ICMS na base de cálculo do PIS e Cofins.

O entendimento é de que o crédito tributário representa um acréscimo patrimonial da empresa, o que significa que está sujeito ao IRPJ e à CSLL. Assim, a discussão era de qual o momento a Fazenda poderia incluir o montante na base de cálculo dos tributos.

De acordo com o contribuinte, o marco temporal seria apenas após a homologação da compensação pela autoridade fiscal, pois seria o momento que o crédito a ser compensado se torna certo e líquido. Em outras palavras, para o contribuinte, o oferecimento à tributação dos impostos para fins de compensação tem que ser contado a partir do momento em que a compensação é realizada e homologada. 

Essa argumentação foi rejeitada pela 2ª Turma e o Ministro Relator entendeu que o marco temporal é o pedido de prévia habilitação do crédito.

Em seu voto, o Ministro explica que a decisão judicial reconhece o direito à compensação tributária, mas não define qual o valor a ser compensado – consequentemente, não há o que se falar em incidência imediata do IRPJ e da CSLL. 

Isso porque a cobrança desses dois tributos pressupõe a disponibilidade econômica e jurídica da renda, que só ocorre com a prévia habilitação do crédito decorrente de decisão judicial transitada em julgado.

“Desse modo, o IRPJ e a CSLL incidirão após o deferimento do pedido de prévia habilitação do crédito decorrente de decisão judicial transitada em julgado, quando se constata a disponibilidade jurídica do acréscimo patrimonial, ocasião em que passa a ser possível proceder à entrega da declaração de compensação, ainda que esta esteja sujeita à homologação expressa ou tácita pela Fazenda Nacional”, explicou o Relator.

Ainda assim, o entendimento da 2ª Turma merece questionamentos. 

A habilitação de crédito feita perante a RFB representa tão somente o momento no qual a empresa fornece os aspectos formais da decisão transitada em julgado, tais como a certidão de inteiro teor decorrente do processo judicial no qual o direito fora pleiteado, a correspondente memória de cálculo e o respectivo período de composição do crédito convalidado pelo Poder Judiciário. 

Essas são algumas formalidades necessárias para a Receita aprovar os pressupostos do crédito a ser futuramente compensado.

Contudo, ainda que seja um procedimento importante, essa é tão somente uma etapa formal em relação a todo o procedimento de compensação. Por mais que o contribuinte tenha a materialidade calculada para fins do seu pleito, nesse momento efetivamente não há qualquer fluxo de caixa positivo e efetivo benefício econômico para o contribuinte.

Dessa forma, considerando tal marco temporal para fins da incidência do IRPJ e CSLL, a grande questão é que o contribuinte deverá antecipar de uma vez só todo o pagamento do IRPJ e da CSLL sem, ao menos, ter a certeza de inúmeras variáveis, quais como da:

  1.  Efetiva possibilidade de escoar todo seu crédito tributário;
  2. Eventual glosa das compensações pela Receita Federal;
  3. Discordância parcial ou total do cálculo feito pelo contribuinte quando da apresentação das memórias.

Nesses casos, a empresa tem a incidência dos impostos antes mesmo dela ter tido aproveitamento econômico efetivo no seu caixa, de forma que essa empresa terá que pagar os impostos antes do benefício econômico. Pois, até o momento, o que ocorreu foi tão somente o deferimento dos aspectos formais da habilitação do crédito, mas sem a garantia de que a RFB vai glosar esse valor.

A tentativa de resolver uma questão acaba por aumentar ainda mais as possibilidades de discussões judiciais levantadas pelos contribuintes. 

Nesse contexto, é de fato importante conseguir delimitar a partir de qual momento a Receita Federal tende a fazer a cobrança, ou seja, a partir de qual momento a empresa deve oferecer os valores que foram transitados em julgados para serem tributados pelo IRPJ e pela CSLL.

Entendemos, permissa vênia, que a melhor opção de marco temporal para fins da incidência do IRPJ e da CSLL seria o momento da transmissão da PER/DCOMP, pois aí sim o contribuinte já aproveitado o efetivo ganho decorrente da compensação tributária.  

Por: Márcio Miranda Maia – Advogado tributarista e Sócio do Maia e Anjos Advogados.

Fonte: Conjur

Sobre o Revizia

Fundada em 2016, o Revizia é uma empresa de software especializada em auditoria e compliance fiscal que atua por meio de uma plataforma SaaS baseada em machine learning. 

Sua operação tem por objetivo facilitar e dinamizar o trabalho dos profissionais do mercado tributário, contábil e fiscal. 

Para isso, ela oferece soluções voltadas à captura e armazenamento de documentos fiscais, além do cruzamento técnico de informações capazes de apontar inconsistências e oportunidades de recuperação tributária. 

Tudo isso, faz do Revizia o software de gestão fiscal, tributária e financeira mais completo do mercado, para automatizar a eficiência do seu negócio.

Junte-se a líderes de mercado como MondelezBTG PactualPetzHugo Boss e revolucione a gestão fiscal da sua empresa.

Software Fiscal
Tax News

Software Fiscal ou Software de Gestão Fiscal

O Software Fiscal ou Software de Gestão Fiscal é uma ferramenta essencial para empresas que lidam com documentos fiscais em seu dia a dia. Com um módulo específico para a gestão contábil, é possível integrar os speds e realizar a validação de notas fiscais de forma automatizada. Além disso, o software permite o armazenamento seguro de XMLs fiscais, garantindo o compliance fiscal.
Leia mais »
Recuperação de Crédito Tributário
Tax News

Recuperação de Crédito Tributário

Recuperação de Crédito Tributário é um processo fundamental para todas as empresas que buscam reduzir sua carga tributária e recuperar os valores pagos indevidamente nos últimos 5 anos. Com base no código tributário nacional e na legislação tributária vigente, o crédito tributário é um direito assegurado a todas as empresas, seja no regime do lucro real, do lucro presumido ou do simples nacional.
Leia mais »
18º Fórum de Gestão Fiscal e SPED
Eventos

18º Fórum de Gestão Fiscal e SPED

Estamos entusiasmados em compartilhar que o Revizia foi o patrocinador oficial do 18º Fórum de Gestão Fiscal e SPED, organizado pela Live University/Confeb. Este evento, reconhecido como o maior da sua categoria, trouxe insights valiosos sobre as tendências atuais na área tributária e fiscal.
Leia mais »
Projeto de Lei Complementar Nº 68, de 2024, Reforma Tributária
Reforma tributária

Reforma Tributária: Entenda o Projeto de Lei Complementar Nº 68 de 2024

Saiu ontem, dia 10 de julho (quarta-feira), o Projeto de Lei Complementar e nesse artigo você poderá baixar o arquivo oficial com todas as atualizações. A reforma tributária é um tema central no cenário econômico brasileiro. Recentemente, o Projeto de Lei Complementar Nº 68, de 2024, foi apresentado, prometendo grandes mudanças na tributação de bens e serviços.
Leia mais »

Comece agora com Revizia

Entre em contato conosco e agende um diagnóstico